O ultimo dia foi sobre o MAR. A oficina começou com a Rita explicando mais uma vez o que era ser uma estilista, mostrando pras crianças a idéia de conceito, de uma história traduzida na moda. Todas elas fizeram desenhos sobre o tema, que era mar, enquanto o personagem de cada um tomava forma e as fantasias começavam a nascer. Depois disso a próxima etapa era por a mão na massa. A Rita deixou as crianças bem livres para opinar e mandar no jeito que elas queriam a roupa, de forma que cada fantasia fosse a extensão daquilo que as crianças tinham imaginado em suas pequenas mentes visionárias. Quando todas estavam prontas, as meninas mais velhas ficaram encarregadas de fazerem a maquiagem das mais novas como vocês podem ver nas fotos, a gente não mecheu em nada de maquiagem, elas fizeram tudo. O que diferenciou o último dia é que no final, além do desfile que aconteceu também nos outros dias, a gente introduziu pra elas o conceito de um editorial de moda. Cada criança tinha que pensar em uma forma de aparecer na foto, como se essa mesma fosse para a revista, e o resultado são essas fotos desse post. Como fotógrafo, é muito diferente dirigir crianças, mas é O MÁXIMO, elas são muuuito mais desinibidas, mesmo as mais tímidas pulavam e faziam carão pra foto ;)

Em seguida veio o momento que, pessoalmente, mais valeu a pena da oficina toda. A Rita passou o microfone de criança em criança para que elas pudessem falar o que elas tinham aprendido nesses três dias de muita festa. “Eu queria ser modelo, agora quero ser estilista!”, “Eu aprendi que moda é Arte!”, “Moda é muito mais do que só comprar roupa, tem muita história por trás!” e “A Rita é muito linda” foram as frases que eu ouvi da boca dessas pequenas fashionistas, que deram uma aula mostrando entender tão facilmente conceitos e primcípios da moda que tanta gente custa tanto a aprender. Aprendi com a Rita a ver o potencial de cada uma, e foi muito bom poder ver a concretização desse processo. Valeu a pena!

Desfile

img_6588-copia

img_6617-copy

adiós rita! volta quando quiser pra bordar esse nosso céu e a nossa falta de calçadas.

Advertisements